Contactos

 CERVAS
tlm. 919457984
e-mail: cervas.pnse@gmail.com
Morada: CERVAS/Associação ALDEIA
Apartado 126
6290-909 Gouveia
________________________________________________

O que fazer se encontrar um animal selvagem ferido 


1 – Evite ao máximo perturbá-lo, minimizando o barulho, tempo de manipulação e o contacto com as pessoas;

2 – Contacte as entidades competentes para procederem à recolha do animal:


Linha SOS Ambiente (SEPNA/GNR) 
808 200 520
SEPNA - Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (GNR) 
213 217 291/2
Parque/Reserva Natural mais próxima ou os serviços centrais do ICNF
213 507 900 | icnf@icnf.pt

Se tiver alguma questão, pode contactar o Centro de Recuperação de Animais Selvagens mais próximo. Recorde que os Centros de Recuperação não possuem os meios nem a responsabilidade para a recolha dos animais, essa compete às autoridades.

3 – Se não se sentir confortável para manipular o animal, contacte o SEPNA/ICNF e vigie-o tanto quanto possível para garantir a sua segurança.

4 – Se se sentir suficientemente seguro para o manipular, aproxime-se cautelosamente e capture-o usando uma toalha, peça de roupa ou uma manta para o cobrir de modo a privá-lo da visão (diminuir os estímulos visuais), para que não o possa ferir enquanto o apanha e para que este não o possa ferir enquanto se debate (tenha particular cuidado com o bico, dentes e garras).

5 – Coloque-o numa caixa de cartão perfurada, preferencialmente apenas um pouco maior do que o animal em questão. Se não tiver uma caixa, enrole a toalha que usou à volta do animal para lhe limitar os movimentos, de forma a proteger-se a si e a ele próprio.

6 – Até à recolha, mantenha o animal num local calmo, escuro e aquecido. Evite contactos excessivos.  Não lhe dê alimento, água nem medicação, nem lhe preste os primeiros-socorros. 

7 – Recolha todas as informações possíveis sobre o local e condições em que o encontrou (ex: junto a uma estrada, linha de água, reserva de caça, poste ou linha elétrica...).

8 – Não deve manter o animal em sua posse mais tempo do que o estritamente necessário e nunca fique com um animal selvagem com intenção de o recuperar. Um animal que é mantido demasiado tempo em cativeiro perderá a possibilidade de sobreviver no seu habitat natural, tornando-se incapaz de voar, caçar e de se defender convenientemente.

9 – Durante a época de reprodução pode encontrar crias de ave no chão e pensar que estarão feridas. Muitas vezes estas crias saíram do ninho na primeira tentativa de voo ou passeio, estando bem e continuando a ser alimentadas pelos progenitores. Nestes casos, tente verificar se os progenitores se encontram na zona, se a zona é segura (longe de estradas ou de possíveis predadores, inclusive animais domésticos, por exemplo) ou se a cria está realmente ferida (com sangue ou muito debilitada). Se em caso de dúvida recolher a cria para entregar às autoridades, registe bem o local onde foi encontrada pois pode ser possível devolvê-la ao ninho, uma vez avaliada e tratada.
Note que há animais aos quais esta situação não se aplica, como por exemplo andorinhões, aves de rapina diurnas e noturnas. Em caso de dúvida pode sempre contactar o centro de recuperação mais próximo. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Espécie do mês de Maio: Cobra-rateira

O CERVAS recebeu a visita de estudantes da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima

22ª Edição do Workshop Prático de Recuperação de Animais Silvestres decorreu na Universidade de Aveiro

Espécie do mês de Junho: Víbora-cornuda

Espécie do mês de Setembro: Cágado-mediterrânico

II Passeio de Observação de Aves do Aspiring Geopark Estrela em Belmonte

O CERVAS dinamizou acção sobre animais selvagens de Portugal no Externato Menino Jesus em Coimbra

Espécie do mês de Junho: Ouriço-cacheiro

Espécie do mês de Dezembro: Fuinha